Cineclube Mate com Angu

Archive for março 2013

O cinema como o conhecemos hoje é fruto de experiências doidas, marcadas ao longo da história da humanidade e que culminaram naquela loucura que foi a invenção do cinematógrafo, finalizado pelos irmãos Lumière. Aparelho que logo em seus primeiros meses de vida já aportou no Brasil, cheio de graça e predestinação. Daí que o mundo nunca mais foi o mesmo. A luz, um fenômeno físico, transou com a química e passou a revelar mais do que a imagem do ser humano em movimento, mas todo o imaginário do fundo da alma. O olhar passou a ser a janela para mundos infinitos.

E a película reinou absoluta por um século.

Mas, e hoje com o digital virando o padrão de filmagem e exibição? Dá pra ter a mesma magia físico-química de captação da vida através da lente analógica?

Quando a Kodak anunciou o fim da linha de produção dos rolos de filmes uma mudança significativa se sentiu no Cinema enquanto Arte, atingindo em cheio corações dos saudosos e dos tradicionalistas que acreditam que a película é inimitável. E muitas incertezas surgiram e ainda estão pintando, principalmente quando se tenta o exercício cabuloso de prever o que será o mercado do Cinema no futuro. Um futuro em que o projecionista talvez apenas acompanhe os filmes chegando nas salas via satélite – se a profissão existir…

O fato é que apesar de cada um de nós ter sua camerazinha digital no bolso ou na mochila a experiência da película mágica ainda encanta e a noite de hoje é um elogio a toda a magia acumulada em mais de um século de rolos exibidos.

E é uma homenagem a tantas coisas boas proporcionadas ao longo de décadas, como os malucos que levavam projeções pelos rincões do país; os cinemas de bairro que muitas vezes eram as únicas opões de programa cultural para muita gente – salas essas que viraram tempos religiosos ou grandes lojas de departamentos.

A noite de hoje tem gosto de Trapalhões, Bruce Lee, Cine Paz, Mazzaropi, Chaplin, Cinema Novo, pornochanchada e filmes de karatê, daqueles que faziam as pessoas saíram das salas dando osotogaris pra todo o lado…

E fica essa intuição sacada de que o espaço da película hoje é como um laboratório; o analógico como arte, artesanal, arte tesão. O filme em película é agora cada vez mais algo como a alquimia, com seus mistérios e encantamentos – e o inconfundível barulhinho tec-tec-tec-tec…

Que o digital nosso de cada dia possa cada vez mais fazer bater essa onda boa, gostosa e desafiante.

 

Abraços analógicos,

Cineclube Mate Com Angu

cinema para uma melhor digestão

Anúncios

Anúncios

Matwitter

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 16 outros seguidores