Cineclube Mate com Angu

Entrevista com Luciana Bezerra

Posted on: outubro 31, 2012

Luciana Bezerra foi mais uma das entrevistas que o Mate com Angu fez para a Sessão Catapulta – Uma Odisseia de filmes. Diretora premiada e atriz talentosa, levou o Vidigal pra Cannes, no 5X Favela.
Agora todos estão ansiosos pela sua nova aventura nas matas de Maricá

Do Vidigal pra Cannes

MCA – Oi!

Luciana Bezerra – Oi

Agora é um bom momento?
Mas juro que nem tomo tanto seu tempo assim.

Ok. vamo lá.

E aí Luciana Bezerra, se apresenta pra gente um pouco.

Ai meu Deus! Como no meu PC velho e capenga copiar e colar rápido uma biografia?

Não precisa ser uma biografia…
Só pra gente saber que anda fazendo por aí.

Sou Carioca, nasci na Rocinha, morei uns anos em Maricá não na praia, na serra, bem roça. Aos 9 vim para o Vidigal onde aos 18 anos comecei a estudar para ser atriz em um grupo de teatro.

Ai nele fazendo aulas de cinema descobri que era apaixonada por escrever e contar historias e passei a me dedicar mais a esse trabalho.

Os Donos da Mata tem alguma coisa haver com essa infância na roça?

Meu primeiro curta MINA DE FÉ teve uma muito boa recepção entre críticos e amantes de cinema. Ganhei torcida. Mas fiquei muito tempo sem filmar. O Mina foi produzido com o prêmio de roteiro para realização RIOFILME. Fiz alguns filmes em MiniDV, que deram certo também. Como Hércules – é uma luta danada. Esse vale a pena exibir em uma sessão de vale a pena ver de novo. Depois fiz o Acende a Luz, que tenho muito orgulho. Aí veio OS DONOS DA MATA que foi produzido com prêmio do MINC para cinema infantil.

Tenho trabalhado para que essa turma que aparece no filme viva outras aventuras ou uma aventura maior. Talvez um longa infanto juvenil. Tenho outras histórias com a mesma turma.

Mas ele já nasceu como um projeto maior ou você foi desenvolvendo a partir do curta?

Não, na verdade ele são curtas com os mesmo personagens. Surgiram até em épocas diferentes, mas a turma é a mesma.

E onde foi essa Mata? Pra onde você levou essa turma pra filmar?

A mata na verdade é um sítio abandonado em Maricá. Atrás do sítio havia um Rio e muito espaço de matagal, mais capim, mas por serem crianças facilitou, pelo tamanho. Um campo de futebol abandonado, vira mata.

Você comentou que seu último filme foi o Acende a Luz.
Uma pergunta meio óbvia, mas qual é a diferença de fazer uma produção daquela proporção de uma produção com orçamento mais apertado?

A diferença é a solução que vai dar para cada coisa acontecer. Eu tinha um filme onde era preciso está escuro na imagem, mas não se capta imagem sem luz. E grana=tecnologia.
Fez isso acontecer no Acende a Luz, que é um curta com problemas de longa. Jamais seria feito com a grana de edital.

Mas eu Fiz os Donos, sabendo que não seria fácil, era um filme-viagem-aventura. E foi feito, mas muito mais demorado. Levei um ano e 1 mês para entregar após filmado. Por um outro lado gosto de ver minha massa no forno por um tempo. Faz bem pro filme.

“eu gosto de muita gente em cena. Gosto de ver isso, acho que é porque moro a muito tempo em um lugar muito populoso.”

Pegando mais um gancho com o Acende a Luz, nele você tinha um elenco enorme e agora trabalhando com crianças no Donos da Mata. O que é mais fácil lidar com um grupo grande ou dar conta das crianças?

Nada é fácil. Gente não é fácil. Mas eu gosto de muita gente em cena. Gosto de ver isso, acho que é porque moro a muito tempo em um lugar muito populoso. Então gosto de ver gente. As crianças eram 10, viraram 7 e 13 na cena final depois de muito papo com a Assistente de direção e Produção. Mas eu gosto do trabalho em grupo e gosto muito de muitos personagens. Mas tenho tentado realizar com um grupo de amigos um curta com apenas 2 personagens. é difícil pra mim. começo a querer, colocar um amigo e tal.

Coração de mãe…

Bem típico de mim. Muito amigos atores pedindo papel. Essas coisas.

Você também é atriz, isso te ajuda como na hora de dirigir?

Acho que já ter sido dirigida, me fez experimentar vários tipos de diretores e pensar onde mais me encaixo. Também a convivência íntima com os atores de igual para igual me leva na hora de dirigir a ter tato e perceber bem que tipo ele é e como devo agir com essa ou aquela pessoa.

Acho que ter experiência como atriz me ajuda mesmo a criar cenas.

É a experiência de atriz com a vontade de contar histórias…
E falando nisso, pretende voltar a fazer alguma coisa como atriz?

Sempre pretendo. Esse ano estava na tela em pequenas cenas no Édém do Bruno Safadi e no Noite de Reis de Vinícius Reis. Para Safadi fiz uma obreira da igreja, com tuníca e direito a pregação sem aviso de filmagem no SAARA, foi ótimo. E Para Vinícius Lili, ainda não vi o filme, mas não dá para fazer algo muito longo, nem em teatro. Por enquanto.

Pra encerrar…
Os Donos da Mata vai mexer com nossas crianças interiores?

Eu espero que sim. As sessões que vi percebi que pais e filhos curtiram. Mexe muito comigo, porque se acreditarem posso dizer que vivi aquela aventura e muitas outras com meus primos. E esses são Xerém o caçula (na real eu) e seus primos  meus). Espero que gostem de conhecê-los.

A primeira vez que vi o filme inteiro, prontinho, foi como um sonho e foi também como ver um filme de uma lembrança da minha infância.

Então vamos ver bastante da Luciana nas telas?

Totalmente, a irmã maior que tem o menor sob sua responsabilidades, crianças soltas sem adultos, a fralda, o rito de passagem para entrar naquela turma, ser aceito, muita coisa.

As bicicletas!!!!

A reza!

Que maravilha!
Lu, foi um prazer ter esse bate papo com você.
Que Os Donos da Mata tenha uma grande aventura!

Amém! E que o mate tenha muitas e muitas sessões catapulta!

beijo.

Merci

Os Donos da Mata

Ficha Técnica:

Roteiro, Direção e Produção Executiva: Luciana Bezerra
Direção de Produção: Sheila Santos
Produção: José Mario Farias
Assistente de Produção: Joanna Costa
Produção Local: Jessy Ramos, Jesiléia Braga e Marco Antônio
1ª Assistente de Direção: Manuelle Rosa
2ª Assistente de Direção e Continuísta: Magá Cavalcante
Diretor de Fotografia: André Lavaquial
1º Assistente de Fotografia e Storyboard: Bruno Diel
2º Assistente de Fotografia e Câmera Adicional: Arthur Sherman
Steadycam: Roberto Thome
Câmera subaquática: Bruno Leão
Direção de Arte: Wendel Barros
Figurino: Gorete Bezerra e Marcio Lopes
Técnico de Som: Vampiro
Microfonista: Lucas Silveira
Efeitos Especiais: Equipe M
Montagem e Finalização: Aléssio Slossel
Gráfica e efeitos visuais: Aléssio Slossel
Trilha Original: Stanley Zvaig e Marcello Nunes
Eletricista: Marreta
Maquinista: Arley
Transporte: Rafaela Transortes/Paulo/Mineiro/Leandro/Elias
Cozinheiras: Maria Augusta/Rosana Braga/Ana Marcia Braga/Jesilene Braga
Boy de set: Victor Braga/Matheus Braga
Imagem aérea: VídeoDrone

Elenco

Guilherme Soares
João Pacífico
Larissa Henrique
Gabrielly da Paixão
Clara Polessa
Eduardo Ribeiro
Joana Braga

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Matwitter

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 16 outros seguidores