Cineclube Mate com Angu

Entrevista com Eta Aquarídea.

Posted on: outubro 31, 2012

Reza a mais nova lenda do cinema independente carioca que um grande mestre viu Senhorita Fotografia e se surpreendeu. Ficou ali viajando um tempo para dizer algo do tipo “Achei que não veria mais nada de novo no quadro. Isso é coisa nova.” –  Senhorita Fotografia é um curta do coletivo constelar ETA AQUARÍDEA. Misturando dança, sonho e fotografia, esse belo filme promete mexer com os corações dos incautos cinéfilos. Mais uma estréia linda, mais um filme que o Mate tem orgulho de lançar em sua Sessão Catapulta 2012.

still de “Senhorita Fotografia”
Gravidade Zero, respiração em suspensão.

Daqui a 150 anos “Srta Fotografia” vai ser lembrado como o filme que revolucionou o quadro?

Será lembrado pelos nossos netos como o primeiro filme do Eta Aquarídea. O tempo reinventa as revoluções, o que será Eta Aquarídea daqui a 150 anos perpassa a nossa intuição. No presente a busca é ir além do quadro.

Como Srta Fotografia Nasceu? Havia um roteiro? Ou o filme aconteceu nos ensaios do Eta Aquaridea?

Queríamos muito retribuir a inspiração da bela música feita pelo nosso amigo Augusto Malboisson. Filmamos sem roteiro, sem ensaio, imbuídos da música. Fruto de um desses encontros catárticos eta aquarídeanos propícios a transmutar as partículas do entorno em sonho.

Um filme é algo que pode dançar? Uma câmera pode dançar? Me parece que a distancia entre cineastros e câmera cada dia diminui mais, eles vão se transformar na mesma coisa?

Queremos diluir fronteiras, as nossas próprias, as que existem entre as artes, entre sonho e realidade. Tudo é movimento, no cinema “a dança da luz” a câmera é a extensão do corpo, não existe distanciamento mas sim coesão.

No filme há uma reciclagem de imagens antigas. de onde elas vieram? Em tempo de poluição visual, resignificar velhas imagens é ter uma atitute ambiental?

É um exercício de usar todo o substrato das imagens e sons e também seu lixo. Dessa forma pode-se até falar em uma atitude ambiental. De uma maneira ou de outra estamos falando em digerir imagens dadas virando suas belezas do avesso.

Qual a expectativa em relação ao filme? Ele esta nascendo, ganhando o mundo. Um filme é como um filho?

Tocar o olhar. Trocar de lugar. Inspirar. O filme é nosso apenas durante a gestação depois disso ele é do mundo, tem vida própria.

Deixem um alô pro povo do mate. pra noite da sessão.

Bora pro mate catapultar estrelas!

Still de Senhorita Fotografia
Mariana Bley dança no espaço sideral

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Matwitter

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 16 outros seguidores