Cineclube Mate com Angu

Sessão Malditas Fábulas! – Um Viva ao Cinema Fantástico.

Posted on: agosto 30, 2011

Existe um tipo de cinema que pouco se faz no Brasil, um tipo de cinema popular e autoral.  Um cinema…

Bem, com os estudiosos do cinema, temos os filmes intelectualizados, de arte, que propõem a experimentação na linguagem; comandando a massa,  temos os  filmes-programas-esticados-de-TV, que têm o suporte vultoso da indústria de massa do Brasil, tomando mafiosamente conta dos espaços com conteúdos descerebrados e vazios de qualquer sentido. Temos também os favela-movies, que viveram o auge na decepcionante redenção do Capitão Nascimento, do competente Tropa de Elite 2, – um cinema popular de fato. De autor?  O tempo dirá.  – filme policial, embalado em uma danosa e superficial justificativa, sociológica e acadêmica, de buscar compreender o Brasil.

Making-off de "Mangue Negro" de Rodrigo Aragão

Falta um cinema mais liberto de tantas pretensões, um cinema que não seja filho das universidades, que não seja filho da tv e que não seja filho da sociologia. Faltam filmes antropofágicos e sem preconceito, filmes como “Mangue Negro” de Rodrigo Aragão. Filmaço produzido de forma independente no Espírito Santo. Com determinação, suor e alguns litros de sangue artificial, Rodrigo produziu um feito, um marco, um filme cheio de inventividade e tesão.  Sem apoio estatal. Feito na porrada.

Produzimos, em sua maioria, um cinema sem heróis, um cinema que parece ter medo da ficção, da fantasia, da aventura, do pop e do rebolado. Um cinema que hesita levar o espectador pra longe. É mais fácil viajar numa conversa de botequim, do que vendo um filme brasileiro. Por quê?

Talvez esse cenário venha do modo do Brasil encarar a cultura. Onde o artista é colocado com pires na mão. “Justifique sua obra“, pergunta-caô que exige resposta-caô. O que justifica um filme é o fogo no coração. O Estado como produtor, mesmo com toda a preocupação de  buscar a diversidade, impõe sim, uma perspectiva da história que é contada.

Mas fogo no coração não coloca comida dentro de casa.  Será? Sim, cinema é também uma arte industrial, que precisa da ajuda do Estado. Mas mais do que produzir, o Estado precisa dinamizar. A sede de audiovisual no Brasil não cabe mais em edital que premia 20 curtas por ano. Esse modelo já era. Está tudo distorcido. Hoje em dia o Mate Com Angu disputa grana pública com a Rede Globo. Não é uma maluquice? O cinema hoje não cabe mais na fôrma – é uma panela de pressão. A democratização da produção chegou com a tecnologia digital, falta agora democratizar a economia. Que tal abrirmos um banco? É preciso criar uma nova dinâmica econômica para o cinema brasileiro. Uma economia descentralizada e diversa. É preciso Criar, ser criativo nos modelos de negócio! E os fazedores de filmes são os maiores responsáveis dessa construção. Suportes como a internet, as salas independentes de cinemas, as lan-houses e os camelôs têm que ser considerados.  É preciso estar atento pra não levar um caldo e perder o bonde da história. Sejamos novos de fato!

E voltando a provocação inicial… Um viva ao cinema escapista brasileiro!

 

Abraços fortalecedores,
Cineclube Mate Com Angu
O cerol fininho da Baixada

 

PROGRAMA MALDITA FÁBULAS! – Um Viva ao Cinema Fantástico.
Quarta, 31 de agosto 2011 · 20h30min
No Bar do Luís (em frente à Lira de Ouro) Rua Sebastião de Oliveira, 72 (paralela à Nilo Peçanha), Centro – Duque de Caxias – digrátis!

Mangue Negro, de Rodrigo Aragão

Com: Ricardo Araújo, Kika de Oliveira, Walderrama dos Santos, Markus Konká.
Produtora: Fábulas Negras / Roteiro e Fotografia: Rodrigo Aragão / Música Original: Jaceguay Lins / Produção: Edilamar Fogo de Deus / Trilha Sonora: Orquestra Sinfônica do Espírito Santo sob regência de Helder Trefzger / Edição Musical: Hermano Pidner / Sonoplastia e Mixagem: Luciano Allgayer / Efeitos Especiais e Efeitos Visuais: Rodrigo Aragão / Pirotecnia: Victor Hugo Medeiros / Câmera: Bruno Maranhão, Maurício Ribeiro e Rodrigo Aragão / Produtor Executivo: Hermano Pidner / Assistente de direção: Mayra Alarcón / Produção de campo: Edilamar Fogo de Deus

Terror / 2008 / 105min / Digital / Espirito Santo – BR 


Depois que um mangue é contaminado de forma inexplicável, uma comunidade humilde é chacinada por zumbis. Mocinho e mocinha lutam para sobreviver e, como se fosse possível, encontrar uma cura.

 
Após o filme, Festa Groove com DJ CAVACANTI.

 

A Decomposição é Inevitável!

Cinema brazuca, na veia!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Matwitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 16 outros seguidores